Pesquisar neste blogue

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Resumo e avaliaçom dos dous anos coligaçom na Cámara Muncipal chantadina

"Nom se vive celebrando vitórias, mas superando derrotas", Ernesto Guevara de la Serna.

Agora que já vam dous anos de governo municipal PSOE-BNG queremos fazer umha avaliaçom desde Galiza Nova Chantada, para mostrar à cidadania o trabalho dos concelheiros do BNG a prol dumha política de esquerdas que transforma-se o ermo político e a esclerose institucional que deixou como herança o PP e os governos do monolitismo.

É necessário fazer esta avaliaçom porque todos os processos necessitam ser analisados e ainda criticados em política e porque o BNG tem que fazer um esforço, no que resta de legislatura e na próxima se assi lho confiam os cidadaos, por implicar muito mais a militantes, simpatizantes e à cidadania em geral na política muncipal e na toma de decisons que nos atingem a todas e a todos. Aliás, os esforços por enlamar com demagogia a vida institucional do concelho cobrárom novos pulos ultimamente por parte do PP e por isso devemos, mais do que nunca, manter ao tanto à cidadania do que realmente acontece no concelho e nos progressos acadados nestes dous anos de governo. Um exemplo da política do PP, oposiçom destrutiva e nom construtiva, foi a tentativa de apresentar por parte de Susana López Abella umha moçom contra a imposiçom do galego por parte do governo municipal, o que dá fé da política de demagogia e transplante da suja campanha empregada por Núñez Feijoo e ainda por Mayor Oreja nas europeias.

Em primeiro lugar desde Galiza Nova queremos deixar bem pantente que a pesar dos esforços dos nossos concelheiros as mudanças ainda nom atingírom o calado desejado a todos os níveis porque dous anos dam para o que dam, e tamém devido a que o PSOE incumpriu e incumpre sistematicamente o pacto de governo o que converte o trabalho de Olga, Jesus Mazaira e Ildefonso Pinheiro nalgo titánico.
Nestes dous anos o BNG fixo esforços mui notáveis por promocionar ao desporto de base e tamém apoiando aos clubes da nossa vila, por exemplo com o arranjo do Sam Gonhedo do Chantada. Tamém por tecer umha rede de serviços sociais acaída às necessidades do concelho : coma as dos coidadores no entorno social; a incorporaçom da residência e o Centro de Dia ao consórcio de Bem-estar da Junta da Galiza-; Jantar na casa; transporte adaptado; apoio ao emprego feminino e às vítimas do terrorismo machista; icorporaçom da Escola Infantil ao serviço galego ed Igualdade e Bem-estar, com a intençom de convertê-la em Galescola, processo fanado pola nova Junta; promoçom de vivenda pública e emprego para as moças e os moços; moçom em apoio aos gandeiros na sua luita por um preço digno e justo para o leite; apoio ao Banco de Terras, imitado já por Euzkadi e por Croácia; apoio às UXFOR; solidariedade Plataforma polo desenvolvimento sócio-económico de Chantada e a sua legítima oposiçom ao feche da Sidraria Galega que finalmente ficará na nossa vila; ampliaçom do Polígono Industrial (cujo retraso se deve às empresas adjudicatárias e nom é responsabilidade directa do concelho); as obras da ponte do passeio fluvial; as novas fases na construçom do novo concelho (com retraso tamém devido à empresa) saneamento e arranjo das ruas de Viana; saneamentos na ribeira em todos os lugares onde os vizinhos o permitírom; oposiçom ao Plano de Ordenaçom do Território que deixava a Chantada como umha subcomarca; impulso e aposta, na medida das possibilidades e competências do nosso concelho, polo Turismo Rural e por um ensino galego que o PP está a dilapidar; etc.

No eido cultural, o concelho de Chantada está desenvolvendo o Plano de Normalizaçom Lingüística aprovado unanimamente polo Parlamento da Galiza em Setembro de 2004 e apoiando actividades culturais variadas coma: a Subida a Chantada, Barcas do Minho, o Castanhaço-rock, o Foliom de Carros, o Entroido Ribeirao, a Feira do Vinho, o Caminho Sul ou o Festival Consentido por citar alguns exemplos.

O BNG tamém foi o principal impulsor da cobra do cánon hidroeléctrico em condiçons mais favoráveis para a nossa vila e o que defendeu contra um PSOE entregado às directrizes do partido. Mentres o Manuel Lorenzo e o PP o reclamavam em Chantada e votavam que nom com Cacharro na Deputaçom o BNG puxo fim a esta dívida histórica com Chantada. Tamém o BNG defendeu em todo momento a elaboraçom duns orçamentos reais e públicos, a diferença dos aprovados polo PP que permitítom que o nosso concelho ultrapassara os três milhons de euros de dívida após a derrota de Manuel Varela, com espectáculos tam bochornosos coma a suba de impostos de 2005 ou a concessom por décadas a Aquagest das augas da vila.
Nesta direcçom vai o rencente crédito contraído polo Concelho de Chantada (amparando-se no decreto 5/2009 aprovado polo governo central) com o que se financiará por volta dum 20% da dívida pensando em aliviar a situaçom financeira de pequenas e medianas empresas, de PEMES e autónomos. A dívida já fora, aliás, reduzida com o IVI do cánon e hoje ainda alcaça 1.500.000 euros. No entanto, este crédito nom se traduzirá numha suba de impostos para os contribuíntes, mas passa pola contençom do gasto e por poupar em gasoil, gasto corrente, telefonia, etc. até conseguir os 120.000 euros anuais necessários e pagar assi o crédito em seis anos.

Por último, nem que dizer tem que o BNG segue a trabalhar nestes e noutros projectos para afortalar o atractivo de Chantada para as empresas, melhorar a promoçom turística do nosso concelho, inçar a participaçom cidadá e o diálogo social e advogar pola vivenda pública e a criaçom de emprego.

Por todo o dito, consideramos desde Galiza Nova de Chantada que estes dous anos fôrom mui positivos e que o BNG segue a ser o motor do cámbio em Chantada. Contra a política da mentira, a demagogia e a intoxicaçom o BNG apresenta factos e actuaçons concretas. É muito o que fica ainda por fazer, mas tamém nom é pequena a ilusom que a equipa do BNG no concelho e a sua militáncia pom no trabalho diário para alcançar a política e o desenvolvimento que a nossa vila se merecem.

Viva Chantada!