Pesquisar neste blogue

segunda-feira, 30 de junho de 2008

II Assembleia Nacional do Encontro Irmandinho

II Assembleia Nacional do Encontro Irmandinho

Compostela, 28 de Junho de 2008.

Saudaçons irmaos e irmás irmandinhos/as!

O Encontro Irmandinho vem de consolidar-se após mais dum ano de percurso político para lembrar-lhes aos que querem um BNG burocrata que em Galiza o poder é popular e, daquela, do povo como ainda fai pouco lhe lembrava José Manuel Beiras à UPG. O actual grupo maioritário caminha como umha burocracia que, sem base ideológica, se vai distanciando da nossa base eleitoral tradicional e lhe vira as costas a movimentos sociais como Galiza nom se vende. O Encontro Irmandinho coida que o respeito cara as minorias é indispensável e que o BNG deve voltar ao seu lugar natural: a esquerda arredista galega que loita contra o que Beiras qualificou de «neocolonialismo interior» por meio da autonomia.
De facto, trata-se de defender umha verdadeira democracia, ou seja, de exigir um modelo de sociedade civil perante umha sociedade militarizada que está construindo umha Europa cada vez mais em sintonia co fascismo. Este é o verdadeiro debate entre a esquerda do proletário e a pseudo esquerda burguesa, entre transiçom para o socialismo e a libertaçom nacional ou a impostura ideológica dos que só estám mantendo o neoliberalismo.
As companheiras do BNG de Chantada quigemos estar presentes mais umha vez nesta cita co activismo mais coerente coa história e a ideologia do movimento nacionalista galego. Um dos reptos é conseguir que a nossa acçom seja mais visível no conjunto do BNG e mesmo na sua base social, o qual implica que dumha ou outra maneira necessitamos tamém trasladar a nossa postura a Galiza Nova e aos militantes e simpatizantes mais moços. Saúde e terra a nossa!



VIVA GALIZA CEIVE E SOCIALISTA!




SEGUEM A SER OBJECTIVOS POLÍTICOS DO ENCONTRO IRMANDINHO

A regeneraçom democrática autêntica, profunda e efectiva do BNG, o trabalho por um BNG frentista e assemblear, activo e vivo, participativo e capaz de reforçar o peso das políticas nacionalista e de esquerda nas instituiçons.

A diferenciaçom clara do projecto político, o BNG como ferramenta política e o plano da acçom institucional, o BNG como força de governo nas instituiçons autonómicas e locais, para que deixem de estar confundidos.

(Fragmento inicial da Tese de Linhas políticas II Assembleia).