Pesquisar neste blogue

quarta-feira, 14 de maio de 2008

A mocidade arredista de Chantada contra o especulaçom capitalista no ensino e no leite

1.-Até a vitória sempre: sem loita nom hai esperança, sem esperança nom hai êxito possível



1.1.-Universidade à bolonhesa

Os companheiros/as de Galiza Nova de Chantada compartilhamos co estudantado galego a greve do 28 de Março, em protesto pola desmesurada suba das taxas e pola implantaçom do Plano Bolonha, ou seja, mobilizá-mo-nos perante a privatizaçom e a elitizaçom do ensino, que é o que vem a ser Bolonha.

Bolonha nom vai além de pôr ponto e final a possibilidade dumha universidade pública, universal e de qualidade, pois é umha reconversom industrial aplicada ao ensino e que bebe da mais salvage praxe do neoliberalismo (inspirando-se no modelo ianque e inglês). Se bem é certo que um espaço de educaçom europeu comum poderia ser positivo, o desenho, elaboraçom e aplicaçom do mesmo é totalmente arbitrária, antisocial e anárquica e as suas conseqüências serám, estamos seguros, terríveis, pois rebaixará ainda mais o nível formativo do estudantado, inçará o trabalho precário, elitizará a universidade (as bolsas desaparecem e substituem-se por créditos brandos), converterá às humanidades em párias do saber (a insultante reforma do bacharelato vai por aí) e aos graduados em simples força de trabalho, precária e explorada... É este o ensino que queremos para a Galiza do futuro? É este o mundo cara o que queremos caminhar?

Os estados capitalistas anteponhem os meios materiais aos humanos, mas com esta reconversom industrial do ensino morrerá definitivamente o homo sapiens para dar pé ao home-máquina, o super-home do neoliberalismo, o homo industrialis, ou o que é o mesmo o baleiro existencial absoluto. Embora a brincadeira poda parecer exagerada, a orientaçom que se lhe dá à ensinança e, portanto, à sociedade, é a de alheá-la ainda mais e marginar as ciências humanas, pois nom é bom que as pessoas pensem por si próprias, isso nom lhe interessa ao sistema... Quiçais fosse melhor investir primeiro em capital humano e logo em capital material. Porque na Galiza fam falha mais médicos e Cuba pode pôr milheiros deles (ou de mestres) manhá em qualquer parte do mundo?

1.2.- Divide e venderás

«Moita gente – moça ou velha- confunde revoluçom com rebumbio, sem se decatar que o rebumbio é cousa adjectiva, nom substantivamente unida à ideia de revoluçom. (...) Nom queremos com isto negar a eficácia do berro, e si só a do berro mal fundado e sem conteúdo, que por vezes xurde case unicamente das ganhas de berrar. Sinceridade, valentia, exultaçom, atitude afirmativa ou rebelde: todo isso está moi bem quando se pensa o que se di»[1].

No entanto, polo de agora, o Ministério de educaçom está levando avante o Plano sem umha oposiçom coordenada, esquemática e unida (que nom implicaria uniformidade). Destarte, ainda que em Sevilha, Catalunya ou Madrid houvo protestos notáveis, o estudantado fica dividido em irrisórias agras ideológicas de ninguém que só beneficiam aos mesmos de sempre. Concretamente, na nossa naçom percebeu-se com total nitidez este facto. Doe-nos reconhecê-lo, mas como assistentes sentimo-nos avergonhadas/os perante a divisom, a confrontaçom inútil e a indiferença da maioria, todo hai que dizê-lo, que prefere ir protestar polo feche dos pubs e discotecas às seis da manhá a defender o seu futuro, o dos seus irmaos e irmás e o dos seus filhos e filhas... nom som bons tempos para SER só para TER.

A greve (cast. huelga) do outro dia foi um esperpento, permita-se-me o castelhanismo, onde os membros duns sindicatos insultavam aos outros, por ver quem era mais radical. O normal teria sido unir-se à manifestaçom de CIG-ensino, ou quando menos fazer umha unitária entre AGIR, CAF e o Sindicato de Estudantes, mas nom. Cada um polo seu vieiro, caindo no absurdo, no ridículo, no infantilismo político maior que lembro em moito tempo. Como é que nos vam tomar a sério se nós próprios actuamos como inconscientes?

Entom, a ver se entre todos imos aprendendo que ser radical nom é barulhar mais ca o contrário, que nom é fazer destroços, nem pintadas num Telepizza (para que logo as limpe a mesma trabalhadora explorada a que dim defender), nem ser mais guay ca ninguém. Ser radical acho que é defender as ideias próprias desde o convencimento e as convicçons próprias, mas empregando o que na Galiza chamamos sentidinho, ou seja, estabelecendo umha praxe política com prioridades acordes a cada conjuntura histórica e reconhecer as verdadeiras ameaças, unindo-se aos que compartem a loita, ou por acaso os bolcheviques nom se coligárom cos mencheviques quando a situaçom o requereu?

Finalmente, quigéramos rematar num tom menos pessimista chamando a acçom conjunta da mocidade galega perante um problema e um inimigo comum, mas o céu segue coberto de nuvens que nom deixam vê-lo sol de Maio. Terra a nossa!

2.- O rural dá um passo histórico graças à lavoura do BNG na Junta de Galiza


Assemade, estivemos presentes o passado dia 30 de Abril na manifestaçom que convocou o Sindicato Labrego Galego e à que se somárom outras forças sindicais, para vindicar condiçons de produçom dignas para os nossos labregos. Certamente, a concentraçom foi seguida por milheiros de pessoas, o qual dá idea da situaçom de desesperaçom dos nossos gandeiros perante a precaridade que sofrem pola especulaçom dos grandes grupos lácteos, sobre de todo os de capital estrangeiro, polo que compre agir na constituiçom dum grupo lácteo galego que seja competitivo e garanta certa estabilidade no mercado estatal. Contodo, desta volta semelha que os protestos terám resultados positivos, pois o conselheiro de Meio Rural vem de anunciar a aprovaçom do contrato homologado neste mês de Maio, que foi aplaudido polos sindicatos e que agardemos poda implicar a sério à indústria.

No entanto, para as trabalhadoras e trabalhadores do rural galego a batalha nom rematou e o próximo grande repto desta soterrada “reconversom” do nosso agro (que começou em 1986 coa entrada na UE) será enfrentar-se com garantias à desapariçom da quota láctea, pois isto acentuará ainda mais no livre mercado e os nossos gandeiros nom podem competir em igualdade de condiçons com ingleses, franceses ou alemáns. Algumhas ameaças para o futuro serám:

A.- a baixada do leite devido ao minifúndio, que provoca a dependência de forrages (cada vez mais caros pola especulaçom traçada encol o biodiesel) e que se retroalimenta polo endevedamento milionário das explotaçons em maquinária e quota láctea (o Estado espanhol nom a repartiu de balde coma o francês e foi campo de especulaçons e hiperinflaçons até que a Junta de Galiza botou mao dela);

B.- cooperativismo moi precário, devido ao passo “violento” dumha economia pré-capitalista a umha outra inserida no neoliberalismo, o qual incide na perda de atractivo do rural para a gente nova, pois, agá nas SAT's, requere 365 dias de adicaçom ;

C.- escassa mecanizaçom ou mecanizaçom deficiente, que se explica polo endevedamento dos nossos gandeiros já denantes explicado;

D.- e, quiçais, o mais importante, baixa formaçom dos labregos, que ocasiona fortes dependências, por exemplo: veterinários, reparaçons mecánicas, escassa qualidade genética dalgumhas gandeirias e, porque nom, cair nas poutas de certo caciquismo ou clientelismo ainda hoje vivo. Felizmente, os novos trabalhadores agrários parece que estám dando-lhe a volta a esta situaçom...

Em conclusom, o contrato homologado suporá um passo de gigante na estabilidade financeira das nossas explotaçons, mas, perante um panorama sem quota láctea iminente, o sector deve reagir de imediato e as diversas administraçons devem impulsá-lo, pois, na Galiza, o sector agrário segue a ser fundamental. Saúde e terra!


[1] Rafael Dieste: “Mozos mais non energúmenos”, El Pueblo Gallego , 10-Fevereiro de 1926.

5 comentários:

Galiza Nova Pontedeume disse...

Boas! Somos de Galiza Nova de Pontedeume e vimos que tedes ligazóns dende o voso blog a outros da organización, e gostariamos de que incluísedes o noso.

Obrigados!

http://galizanovapontedeume.blogspot.com

O Garcia do Outeiro disse...

A última deste filho de la grandíssima putana é umha ofensiva contra o povo zigano, colectivo social culpado de criminalidade (a cantinela é-me familiar) e que será perseguido. Nom se inviste em educaçom e formaçom das novas geraçons ziganas, nem sequera em dignificar as suas condiçons de vida. Nom sai mais barato colgar-lhes o letreiro de DEI JUDEN



http://www.gznacion.com/web/
notic.php?ide=8370

O Garcia do Outeiro disse...

Com esta mensagem queremos agredecer o teu apoio ao Manifesto "A Nossa
Língua é Internacional", promovido pola Associaçom Galega da Língua
(AGAL), com motivo do Dia das Letras para contribuir a umha ampla
manifestaçom em prol da normalizaçom lingüística e a defesa dos
direitos lingüísticos até hoje impunemente conculcados na Galiza.
Agradecemos também a difusom do texto para conseguir o maior número
possível de adesões:
http://www.agal-gz.org/manifesto08

Desde a AGAL consideramos mui importante que a manifestaçom do próximo
18 de Maio seja umha demostraçom clara da firme vontade do povo galego
de normalizar a Língua, que poda contribuir para umha revisom da
política lingüística desenvolvida polos poderes públicos num sentido
realmente normalizador.

Encorajamos-te, portanto, a participares na manifestaçom que sairá o
próximo 18 de Maio da Alameda de Compostela às 12 da manhã, apoiando a
visibilizaçom do nosso movimento cívico em defesa da língua,
juntando-te às organizações reintegracionistas que portem faixas
próprias. A faixa da AGAL levará o mesmo lema do Manifesto: "A Nossa
Língua é Internacional". Informamos também que desde sectores
reintegracionistas foi proposto portar cartazes co nome das
localidades dos manifestantes em ortografia galego-portuguesa ou levar
toalhas de mesa (veja-se
http://www.agal-gz.org/modules.php?name=News&file=article&sid=4322).

Pensamos também ser imprescindível o reforço das organizações em
defesa dos direitos lingüísticos galegos e portanto pedimos-che o teu
apoio e, caso ainda nom formes parte de algum dos diversos colectivos
normalizadores reintegracionistas, convidamos-te a mostrar esse apoio
e contribuir a esse fortalecimento organizativo imprescindível para
dar resposta colectiva aos reptos derivados da defesa dos nossos
direitos através da AGAL:

http://www.agal-gz.org/modules.php?name=Sections&op=viewarticle&artid=2

Agradecendo novamente o teu apoio ao manifesto, ficamos ao teu dispor.

Cumprimentos,

José Manuel Outeiro
Secretário do Conselho da AGAL
http://www.agal-gz.org

O Garcia do Outeiro disse...

O contrato homologado galego proporciona estabilidade e un cambio estrutural na realidade do sector lácteo

Momento da reunión da Mesa do Leite
A sinatura do Contrato Homologado foi asumida nun primeiro momento polo sector cooperativo, a maioría das organizacións agrarias e un número de industrias que supoñen preto do 60% da recollida de leite en Galiza, coa posibilidade contemplada no anexo do propio documento de que se vaian sumando máis organizacións ou industrias no futuro.

Santiago de Compostela, 23 Maio 08.- O Contrato Homologado para o sector lácteo asinado onte na Mesa do Leite contempla unha serie de índices de carácter obxectivo para referenciar o prezo que acorden industrias e produtores, que o converten nun modelo axeitado á realidade do sector para dotalo de estabilidade. Os índices que servirán como base para referenciar os prezos son os publicados polo Observatorio do Séctor Lácteo Galego, que se calculan atendendo á estrutura dos custos de produción das explotacións galegas, á evolución do prezo final percibido polos produtores desagregado en prezo base e distintas primas, e ao mercado de consumo final de produtos lácteos no Estado Español e europeo, así como outros que se poidan incorporar. Deste xeito e a través destes índices adoptatos por consenso de todos os axentes participantes na Mesa do Leite desde hai case un ano, o modelo de Contrato Homologado Galego supera unha situación estrutural.

Por outra banda, o contrato asinado na Mesa do Leite establece unha duración mínima de seis meses, o que se traduce en estabilidade por parte do modelo galego. Cabe destacar, ademais, que inclúe o modelo de recibo e do esquema de primas acordado polos axentes do sector lácteo galego. Este acordo sobre o modelo de recibo e as primas establece que todos os produtores que lle entregan ás mesmas empresas cobraron o mesmo prezo polo leite tipo e as mesmas primas unitarias ligadas á calidade, e limita as diferenzas de prezo que poidan existir entre os produtores por razóns de tamaño, un acordo sobre o modelo de recibo acordado con anterioridade na Mesa do Leite de Galiza. Por último sinalar que o modelo galego establece o compromiso de constituír unha Comisión de Seguimento de ámbito galego, e no caso de desacordo no seo da Comisión de Seguimento entre as partes, remítese a unha arbitraxe por parte de árbitros nomeados pola Consellaría do Medio Rural sen ter recurrir á xustiza, o que axiliza este suposto.

O Contrato Homologado recolle deste xeito o traballo que os diferentes axentes do sector viñan facendo a través da Mesa do Leite e coa súa sinatura na xuntanza de onte dáse luz verde a un novo período para dotar ao sector de estabilidade e normalizar as relacións contractuais entre produción e industria. Na sinatura fundacional do contrato están contemplado o sector cooperativo, a maioría das organizacións agrarias e un número de industrias que supoñen o 60% da recollida de leite de Galiza, se ben cabe a posibilidade recollida no anexo do propio documento de que se vaian sumando máis organizacións e industrias a este acordo no futuro.

freefun0616 disse...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,